atitudes a evitar para uma vida saudável

As atitudes a evitar para uma vida saudável ou os 3 D’s

Mudar de atitude é o primeiro passo – já o disse e repito! – ainda assim, o regresso ao exercício físico, depois de um tempo de paragem nem sempre é tão simples quanto se imagina. Existem obstáculos evidentes e outros menos claros com os quais quem, como eu, quer voltar, se depara invariavelmente.

De sapatilhas nos pés e caminhando pela via para bicicletas (que, de alguma forma, parece ser a única alternativa para todo o tipo de atletas), eu pensei sobre os maiores inimigos das 1001 Dietas e em todas as atitudes a evitar para uma vida saudável.

Separei-as umas das outras, aos bocadinhos, descobrindo que os piores inimigos de uma vida fit são, efetivamente, os 3 D’s.

Conhecer estes D’s, que se assumem como as atitudes a evitar para uma vida saudável, implica voltar a um momento, pela manhã, antes de me ter equipado e saído.

Aquele momento em que o apelo da almofada existe e o nosso pensamento tenta encontrar um subterfúgio suficientemente válido para simplesmente não ir. Falamos, claro, das “Desculpas”.

As Desculpas são, sem dúvida, uma das atitudes a evitar para um vida fit. Mas seria impossível que, num ou noutro momento, não surgisse, no pensamento de quem se lança numa rotina mais salutar, um ou outro pensamento que puxasse para o sedentarismo.

“Está demasiado calor”;

“Está demasiado vento”;

“Ainda me doem as pernas por ter ido correr ontem”;

“As sapatilhas estão prestes a deixar-me o pé direito em ferida”;

“Ainda tenho coisas para arrumar em casa”;

“Dormir também é importante”.

Digo isto como alguém que já encontrou justificações mais ousadas, como “a minha gata precisa de companhia”. As Desculpas são perigosas. Não porque a sua validade efetiva não exista, mas porque são cumulativas e displicentes.

Ceder a elas é um erro comum e que se traduz, com frequência, na desistência permanente. Onde existem objetivos não pode haver desculpas. Uma frase feita, mas que me faz frequentemente saltar da cama e sair para correr é “quem quer, arranja uma maneira”.

E arranjar maneira é, neste caso, não ceder às malévolas Desculpas, que pouco entendem a necessidade do corpo, embora justifiquem, em pleno, as necessidades da emoção momentânea.

Mas, quando não deixamos as Desculpas ganhar a batalha e fazemos como eu fiz esta manhã, aceitando o desafio de nos equiparmos e sairmos para os braços da cidade, para fazer exercício, surge outra das atitudes a evitar para uma vida saudável.

Esta é, no meu entender, uma atitude bem pior do que as Desculpas porque, para que a evitássemos, seria necessário que tivéssemos o poder mágico de mexer na mente alheia, de a vergar e de plantar nela uma semente de bom senso. Falo, pois, do “Desrespeito”.

O “Desrespeito” toma forma nas ruas da cidade, um pouco por toda a parte. Para quem pratica atividades como a corrida em espaço público, este é um acontecimento comum e cuja regularidade assusta.

As suas variações vêm, geralmente, de condutores frustrados (muitas vezes de veículos pesados) ou dos penduras que acompanham os referidos condutores, embora, ocasionalmente, também venham de peões.

Tomam a forma de piropos, de comentários e de buzinadelas. Sem que estejam a praticar qualquer tipo de exercício, estas pessoas fazem-me questionar a sanidade das mentes e lembram-me do bullying nas escolas.

O Desrespeito não é, de todo, algo que possa ser cortado das experiências que vivemos sobre a ciclovia enquanto corremos mas é uma atitude a evitar para uma vida saudável. Incapaz de mudar mentalidades, fiz uma lista de músicas e comprei uns fones. Para deixar longe da minha cabeça o ruído das mentalidades mais indelicadas e manter, para mim mesma, o ritmo positivo do que me leva a evitar as Desculpas e a sair à rua.

Infelizmente, eu sei que, para muitas pessoas, outra das atitudes a evitar para uma vida saudável é o “Desconforto”. Porque nem todas as pessoas transformam o Desrespeito em música. Algumas, transformam-no em Desculpa. E mesclam, assim, todas as formas possíveis de impossibilitar uma vivência fit.

Eu sou rapariga e corro sozinha. Sei uma coisa ou duas sobre o Desconforto, porque mo obrigam a sentir na pele, em comentários e assobios. Mas não sei como será para a senhora idosa, a quem, ainda hoje de manhã, chamaram “velha” ou para a adolescente obesa sobre a qual ouvi a expressão “banhas aos saltinhos”.

E sim, já ouvi ambos os comentários e, como estes, muitos outros. E vi os rostos delas que, em esforço, mantiveram a caminhada e a corrida, mas de coração um pouco mais pesado.

As Desculpas, o Desrespeito e o Desconforto são, a meu ver, as três atitudes a evitar para uma vida saudável. Não só para uma vida fisicamente melhor mas também para uma vida psíquica e emocional mais sadia.

O meu conselho, de “recém-retornada” a estas vidas do fitness é para que se ignorem os comentários – talvez com música; se combatam as desculpas – com argumentos válidos e objetivos firmes; e se aprenda o valor que o nosso esforço tem para que ninguém, nunca, possa fazer-nos sentir mal por tentarmos ser a melhor versão de nós mesmos.

É vencendo os 3 D’s que percorremos o alfabeto até ao E de Esforço e Empenho, passamos ao F de Força e Fit e avançamos, correndo, até ao V de Vitória.

Marina Ferraz

Sem Comentários

Escreva um comentário